Na mídia

NA TV

15/03/17

Não há bagagem grátis- Editorial Folha de S. Paulo

EDITORIAL- FOLHA DE S. PAULO

Não há bagagem grátis

15/03/2017  02h00

Um adágio popular entre economistas afirma que não existe almoço gratuito. No Brasil, esse realismo não parece ter fincado raízes, a julgar pela decisão liminar da Justiça Federal que suspendeu a cobrança por bagagens despachadas em viagens de avião.

 

Essa possibilidade figurava entre várias novas regras para o transporte aéreo criadas pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), quase todas favoráveis aos passageiros —como a indenização imediata em caso de perda de vaga em voo por excesso de lotação.

 

O Ministério Público Federal representou no Judiciário contra a novidade, sob o argumento de que o pacote feriria os direitos do consumidor. A corte acatou liminarmente o pedido, suspendendo apenas a regra da bagagem. O restante do pacote está em vigor.

 

Ora, a manutenção do suposto direito não se faz sem ônus. O setor estima que o serviço de bagagens custe R$ 117 milhões anuais às empresas. O valor acaba rateado entre todos os viajantes, mesmo os 35% que não despacham malas –o que não deixa de ser injusto.

 

Ademais, a Anac não determina que as empresas cobrem pelas malas despachadas, só autoriza que o façam. A medida, que decerto soará antipática para os usuários que hoje usam o serviço "de graça", tem largo emprego em vários países, onde contribuiu para baratear as passagens.

 

Com efeito, linhas aéreas que operam no Brasil preveem estratégias diversificadas sob a nova norma. Duas delas prometeram tarifas mais baixas para quem viajar sem bagagem; outra passaria a cobrar R$ 50 por peça; outra ainda não faria alteração.

 

O Ministério Público alega não haver garantias de que o valor das passagens seria reduzido de fato. Não há e não pode haver, porque, afinal, não existe controle governamental de preços na aviação civil.

 

Consumidores e autoridades precisam confiar mais no poder da concorrência, mesmo num setor com tão poucas empresas.

 

O usuário frequente de aviões tem motivos para incomodar-se com a perda de conforto e serviços nos voos. É fato, porém, que as tarifas vêm baixando em toda parte graças à competição aportada pelas linhas aéreas de baixo custo.

 

Não existe almoço grátis, nem mesmo a bordo de aeronaves.


São Paulo

Av. Ibirapuera, 2332 - Conj. 22 - Torre Ibirapuera I
04028-002 | Moema | São Paulo/SP
+ 55 11 2369-6007

Rio de Janeiro

Av. Marechal Câmara, 160 - Edifício Orly, 8º andar, Sala 832
20020-080 | Centro | Rio de Janeiro/RJ
+ 55 21 2532-6126

Brasília

SAUS Quadra 1 - Bloco J , 10/20 - Edifício CNT - Sala 506
70070-944 | | Brasília/DF
+ 55 61 3225-5215